Deixem que sejam crianças

domingo, 18 de outubro de 2009
Na manhã deste domingo (18), o Parque Municipal Encontro dos Rios foi invadido. Por um pequeno espaço de tempo houve grito, correria e um pequeno caos instalado. Mas sem desespero ou má notícia: A algazarra era uma festa infantil. Aproximadamente 50 crianças anotaram tom especial ao projeto “Música na Praça”, realizado pela Fundação Cultural Monsenhor Chaves. A empolgação e a alegria das pessoas em miniatura abriu brecha para pergunta: Pra criança, é difícil ser apenas uma criança?

Às nove da manhã, o Encontro dos Rios estava movimentado. Os pequenos dividam a atenção em mais de uma atração. As cadeiras frente a um palco de marionete estavam vazias, e uma exposição mal improvisada de quadros era religiosamente ignorada. As crianças eram estudantes da Escola Municipal Simões Filho, e a grande maioria moradora das proximidades.

Um dos organizadores do evento, o regente Wilker Marques, relatou como é difícil preparar arte para crianças. “A criança é diferente. Por mais estranho que possa parecer, é um público exigente demais”, ele fala. O músico Wagner Ribeiro, liderando a banda Tanajura, foi o primeiro da manhã a conseguir atrair a atenção do público mirim. Durante meia-hora de show, os finais dos versos das músicas eram repetidos pelas crianças, comportadamente sentadas.


A música deu lugar pro teatro, em uma adaptação da fábula maior de Jean de La Fontane, “A Cigarra e a Formiga”. Após séculos sofrendo no inverno, nessa apresentação a Cigarra é inocentada. Não passa mais fome por cantar. Cinéas Santos, poeta Secretário Municipal de Cultura, assina a autoria da versão. Ele ainda aproveitou para, em declaração pontuada, desconstruir a idéia de que arte e cultura para criança tem que ser menos elaborada que para os adultos.


Da clássica clarineta de Wilker Marques e do grupo do SESC, soou a simples melodia do desenho Pica-pau. Do nada pomposo teatro, uma adaptação cômica. Da tradição das histórias contadas, as crianças se divertiram com Marilene Evangelista em sua “viagem sem sair do lugar”. Mas não foi durante todo o evento que a balança entre erudito e popular pendeu em igualdade. O grupo de dança formado por garotas, “Barbie Girls”, apresentou um pouti-porri com a homônima faixa eternizada por Kelly Key e mais sucessos do tão celebrado gênero musical swingueira. Professor Cinéas Santos, para infelicidade da reportagem, já havia deixado o evento e não pôde dar declaração.

"Criança gosta é de ser menino"

Dona Conceição Oliveira acompanhou todo a programação junto à neta Maria Eduarda. É difícil ser criança? A reportagem questiona à experiente senhora. “Ah, é sim. Esse evento é uma oportunidade pra criança ser pequena. Brincar, pular”, diz Dona Conceição. Arriscando ainda comentários sobre o que ajuda a pôr fim na infância mais cedo: “O computador, sem dúvidas”. Para ilustrar, exemplifica com algo próximo. “Meus outros netos usam o computador o dia todo. Eles sempre dizem que é pra trabalho da escola. Mas eu não sei. Será?”. Repassamos a pergunta para o leitor.

No evento que foi voltado com atenção especial para os para estudantes da Escola Municipal Valdemar Sandes do próprio bairro Poti velho, a diretora da instuição, Cleonice Silva, aponta outro fator de amadurecimento precoce em crianças e adolescentes. Este, bem mais sério. E em contraponto com o riso de todas as crianças presentes, bem mais triste.

“Veja que a maioria das crianças presentes são da periferia. Se excluirmos todas as influências culturais erradas, passadas pelos mais variados meios, ainda sobre uma difícil realidade. Muitas delas deixam de ir pra escola para ficar em casa cuidando dos irmãos. Outras, não tiveram pais e foram criadas por avós. E a grande maioria, crescem sem uma referência forte. Sem ter no que se espelhar”, diz Cleonice, com rigidez de quem encara lecionar e oferecer cultura, como uma missão crucial.

De um lado, temos Wilker Marques, que não foi sozinho à apresentação. Levou seu filho, João. O músico, que também é professor, sabe o que é bom pro filho. Deixou claro o desafio que é ajudar a formar e deixar espaço para o garoto formar-se.




Do outro, temos a pequena Kécia Karyne. Que mesmo não construindo frases elaboradas, não poupa palavras para definir o que achou bom pra si. “Eu gostei da música, do teatro, da ‘flauta’, da dança...”. E prossegue numerando com timidez, a lista extensa que ela, mesma não ciente em seus cinco anos de idade, fala em prol da infância.




Ah, quase esquecemos o que ela quase esqueceu: “E eu gosto de borboleta”.



Texto, vídeo e Fotos: Igor Prado
Edição de vídeo: Juscelino Ribeiro
(igorprado1@hotmail.com / juscelinoribeirojr@hotmail.com)
 Atualizado às 14:30 de 19/10

7 comentários:

Raquel Guedelha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Raquel Guedelha disse...

Professor Cinéas Santos, para a MINHA infelicidade, deixou o evento sem dar declaração sobre as "Barbie Girl", hahaha

parabéns aê e tudo.
:P

6son! disse...

duvideo dó que seja pra trabalho...ram...
ainda bem que nos anos 80/90 essa maquina num era tão utilizada e globalizada...

de fato amadurecem cedo sim,pulam etapas fundamentais para seu dsenvolvimento...cabe a escola descontruir essa aceleração pois como cit ao texto criança gosta de ser criança.

Livia disse...

Adorei o texto. Principalmente do final. =D

N sei se é dificil ser criança, só sei que na minha época não foi.

Eusouargentina.com.ar disse...

lindo. belo texto, em contraste com várias realidades sintetizadas.

continuem embelezando tudo. sem dó de perder a realidade.

Andrea.

Mayara Evangelista disse...

A matéria ficou ótima. Ei Igor e minha foto? A que eu estava pintando o rosto... Manda pro meu email?

mayara-evangelista@hotmail.com

Estou aguardando.

Anônimo disse...

Achei a matéria boa porque oferece ao leit@r a oportunidade de refletir um pouco sobre a questão da infância através delas mesmas(crianças), familia, comunidade, escola, agentes culturais.
A organização do evento, música na praça, demonstra o carinho com que trata seu público, e em especial nesse domingo, as crianças. Eu estive e lá e pude conferir!